Jiraspiom

Blog Pessoal

Lição 02

Lição 2 – Iniciando

Layout

O desenvolvimento de um programa em c++ começa com a definição do arquivo de projeto. Em seguida são criados os arquivos de cabeçalho (*.h) e os arquivos de implementação (*.cpp).

1) O arquivo de projeto define quais arquivos fazem parte do programa além de definir em que seqüência devem ser compilados. Contém, então, uma lista com os nomes dos arquivos de cabeçalho (*.h), de implementação (*.cpp) e a forma como os mesmos serão compilados. A organização do programa separando o código em vários arquivos facilita a manutenção e possibilita um maior entendimento da estrutura dos programas. Além disso, o processo de compilação fica mais rápido;

2) Arquivos de cabeçalho armazenam a definição da classe, e têm a extensão *.h. ;

3) Arquivos de implementação armazenam as definições dos métodos das classes, e têm a extensão *.cpp. ;

4) É necessário um arquivo com a definição da função main, um aruqivo também *.cpp, que usa as classes definidas pelo programador.

Um exemplo de código (dividido em 3 arquivos) onde estão presentes uma breve documentação da aplicação, da classe implementada e uma descrição dos atributos e métodos. Não é necessário o entendimento do funcionamento, apenas atente à divisão dos arquivos e no formato usado:

//—————————–TAplicacao.h
///Declara uma classe minimalista
class TAplicacao
   {
      public:
      ///Método de execução da aplicação
      void Run();
   };//—————————–TAplicacao.cpp
#include <iostream>//Define método da classe.
#include “TAplicacao.h”/**
O método Run escreve uma msg na tela
*/
void TAplicacao::Run()
   {
      //inicio do método
      //std::cout escreve na tela
      //cout=c out
      std::cout << “Bem_vindo_ao_C++!”<<std::endl;
   }

Conceitos Básicos

Alguns conceitos relacionados à sintaxe e semântica da linguagem:

Atribuição: Atribuir um valor a uma determinada posição de memória, abstratamente num objeto ou variável. Para atribuições usa-se o símbolo de igual (=).
Exemplo:

x = 7;
b = 3;
b = b+1;

Declaração: Declara que existe tal objeto, mas não o cria.
Exemplo:

int x;
class tal;
float funcao();
struct s;
extern const int a;

Inicialização: As variáveis, no ato de sua declaração podem ser inicializadas com algum valor que terão até o fim do programa ou até que este valor seja alterado.
Exemplo:

int x = 10;
char c = ‘a’;
int f = 0;


Escopo: Define aonde um objeto é visível. Pode ser objeto local, de classe , de função, global, ou de arquivo.

#include <iostream>
using namespace std;

int integer;
char c;
unsigned int n; //c, n são variáveis globais

int main (){
unsigned short m;
float x, y; //x,y,m são variaveis locais

}

Especificadores: São palavras reservadas da linguagem, usadas para atribuir determinadas propriedades ao tipos ou definir o tipo do objeto.
Exemplo:

int x;
intline void f()
{…
}
typedef float racional;//são identificadores int, intline, typedef.

Diretrizes pré-processamento: Informações no início do programa que são passadas ao compilador. Iniciam-se com o símbolo #.

Lvalue: é uma expressão que se refere a um objeto ou função. Pode aparecer à esquerda do sinal de igual (=). Objetos especificados como const não são lvalues.

Símbolos

Existem alguns símbolos que podemos usar ao programar em C++:

Identificadores, operadores, palavras-chave, literais e separadores.

Identificadores: Sequência de letras definidas pelo programador. Podem ser nome dos objetos, nome dos atributos, ou nome dos métodos.
Exemplo:

int x,y,x; //x, y e z são os identificadores.

Operadores: Operadores são símbolos cujo uso já vem definido na linguagem. São eles:

! % ^& * () – + = {} [] \ ; ‘ : ” < > ? , . /

Mais na frente explicarei melhor os operadores.

Palavras-chave: São palavras de uso interno da linguagem, já contêm algum significado específico para o processo de compilação. Não podem ser usadas, portanto, para dar nome a variáveis.
Exemplo:

class, string, else, then, main…
Literais: Tipos previamente definidos na linguagem para serem usados representando objetos de uso corrente.
Exemplo:int x = 3; //O numero é um literal
char c = ‘k’; //a letra ‘a’é um literal
float y = 8.7; //onúmero 5.3 é um literal
char* nome = “julio” //julio é um literal
%d blogueiros gostam disto: